Seguidores

Pesquisa personalizada

domingo, 2 de julho de 2017

2 de Julho é Dia de Caboclo na Bahia!


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Sopapo Poético com Lizza Dias - SP


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Oficina de Leitura Encenada para Mulheres Negras - BA




Oficina de análise de texto dramatúrgico e técnicas de leitura encenada, que propõe discutir cenicamente , questões e ou problemáticas, pertinentes ao universo de mulheres negras. 

Com o tema " Por quem choram as mães ? ", a primeira Oficina de Leitura Encenada " Só para Mulheres Negras ", promovida pelo Coletivo de Mulheres Negras ( COMUN ),pretende fazer uma reflexão acerca do exterminio de jovens negros nas periferias de Salvador, a partir do ponto de vista de mães e ou familiares. 

Dias 10 e 11 de junho das 14h às 17h. e das 9h. as 12h. respectivamente. No Espaço Cultural Alagados. – Grátis.

(71) 3317-6518 / (71) (71) 99718 6950
Inscrições presencial via WhatsApp : (71) 98826 8061 ( Enviar nome, idade ) ou preencher formulário disponibilizado no link: 
Chegar ao local 30m antes do inicio do evento 
VAGAS LIMITADAS


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Espetáculo "A Cabaça da Existência" - Temporada Carioca




Depois de conquistar o público em Angra dos Reis e de ter sido indicado ao prêmio FITA 2016 como destaque especial do júri técnico do Festival Internacional de Teatro de Angra pelo trabalho de pesquisa, expressão corporal e percussão, “A Cabaça da Existência” chega ao Rio de Janeiro em junho.
No espetáculo o grupo Artêros se reveza em cena para falar da criação do mundo segundo os contos Iorubas.

Olorún - O senhor supremo do universo resolveu acabar com o ócio reinante em Orún (o céu) e decidiu criar um mundo habitado por seres em tudo semelhantes a ele. Para o empreendimento, convocou todos os orixás e, sob o comando de Obatalá, seu primogênito, ordenou que partissem para criar Ayê (a terra). As cenas são permeadas de danças e as narrativas apresentam de forma lúdica a história dos orixás.

Serviço:
Dias: (05 e 06 / 12 e 13 / 19 e 20 / 26 e 27)
Todas as Segundas e Terças-Feiras de Junho às 19:30
Venda Online: www.sympla.com.br
Ingressos : R$40 Inteira / R$20 Meia 
Curta Temporada de 05 à 27 de Junho - Casa de Baco - Rua da Lapa, nº 243 - Centro.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Leitura dramática faz parte da programação do Projeto Terças Pretas do Bando de Teatro Olodum - BA

O texto “Tenho Medo de Monólogo” com a atriz gaúcha Vera Lopes e o escritor paulista Luiz Silva (Cuti) será apresentado no dia 31 de maio

Para finalizar a edição de maio do Projeto Terças Pretas, do Bando de Teatro Olodum, no Teatro Vila Velha, que teve início no dia 03 e irá ocupar todas as terças do mês com poesia, espetáculos teatrais, feira étnica e literatura, os convidados da noite são a atriz Vera Lopes e o escritor Luiz Silva – Cuti, para uma leitura dramática. 

Em conjunto irão apresenta o texto “Tenho Medo de Monólogo”, uma reflexão sobre um drama familiar, um mundo feminino, além de abordar questões sobre os preconceitos estruturais de raça e gênero.  Na obra, de acordo com a sinopse, “uma mulher negra narra sua trajetória de luta para criar dois filhos adotivos e, diante do desaparecimento de um deles, toma atitude desesperada que, embora redunde em confinamento, acaba levando-a a um encontro amoroso inusitado e à possibilidade de retomar um antigo amor”. A trama percorre os caminhos da maternidade, solidão, abandono, tragédia pessoal, loucura e um possível novo amor. Entre idas e vindas, a história é desvendada num tradicional fluxo de pensamentos de uma estrutura narrativa que leva para um final surpreendente.  

Segundo Lucianno Mazza, autor, crítico de teatro e diretor carioca, “Vera Lopes foi a responsável por dizer seu texto escrito com Cuti (leitor das rubricas). Segura e com bom equilíbrio, entre a emotividade e a qualidade técnica vocal, demonstrou grande interesse e prazer em dizer esta história e a sua interpretação foi contribuição fundamental para a alta qualidade final desta leitura” (Em 2015, no Seminário Nova Dramaturgia da Melanina Acentuada – RJ). Já a atriz, pesquisadora, professora, doutora em Arte pela Unicamp com Pós-Doc pela UFBA, Evani Tavares, revela que, “Vera Lopes é uma atriz fantástica, de uma sensibilidade e entrega que poucas têm! O que ela fez, aquela leitura, naquele ambiente super intimista, para uma platéia super, hiper selecionada, cheia de notáveis, foi algo extremamente difícil e corajoso. Vera sustentou um texto de altas variantes, com muitas variantes, e, por quase uma hora!”. 

Após a leitura dramática terá um bate papo com o público. A noite inicia às 18h com a Feira Étnica e diversos artistas e afro empreendedores expondo produções artesanais, moda e gastronomia. A leitura tem início às 19h. O ingresso dessa noite será pague quanto quiser. 

SERVIÇO
O Quê: Leitura Dramática “Tenho Medo de Monólogo” com a atriz Vera Lopes e o escritor Luiz Silva (Cuti), no Projeto Terças Pretas
Quando: 31 de maio de 2016
Onde: Teatro Vila Velha (Campo Grande)
Quanto: Pague quanto quiser
Horário: 19h 

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Oficina "Mulher negra e políticas públicas" - RJ



Queridas amigas e amigos do Grupo Cultural Balé das Iyabàs

Gostaríamos de convidar todas e todos vocês para a próxima VIVÊNCIAS DO BALÉ – MULHER NEGRA E POLÍTICAS PÚBLICAS - Reflexões sobre o protagonismo da Mulher, entre mitos, danças, diálogos e experiências; que será realizada no dia 20 DE SETEMBRO, DOMINGO,  de 15hs às 18hs, no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo.

Convidada: Maria Olina (Pedagoga com experiência em Administração Pública)

Contamos com a participação de vocês que já tiveram a oportunidade de participar das oficinas e conhecer o nosso trabalho e dxs que ainda irão conhecer! 
Segue abaixo algumas orientações para oficina:
Horário
Pedimos que fiquem atentxs ao horário de início da oficina: 15 HORAS 
Temos observado que, por diversos motivos, as pessoas estão chegando muito atrasadas. Isso faz a nossa oficina começar mais tarde que o previsto, prejudicando as pessoas que se esforçaram para serem pontuais. Como todxs sabem, nossa oficina têm uma dinâmica de desenvolvimento que torna necessário acompanhá-la desde o início para um melhor aproveitamento. Portanto, pedimos pontualidade e avisamos que a tolerância será de no máximo 15 minutos!
Vestimenta
Pedimos que atentem para vestimentas leves e confortáveis, que as possibilitem movimentar o corpo livremente!
Alimentação
Infelizmente, no momento, não temos mais condições de oferecer o maravilhoso lanche que fazia parte das nossas oficinas. Pedimos para que levem seus lanchinhos de casa e água (há um bebedor no andar de cima, para quem não se importar em se deslocar), para não sentirem fome e sede ao longo da Vivência
Valores da oficina - mudanças
Como todxs sabem, nossas oficinas se realizam em um espaço público e por isso, não podemos cobrar por elas. No entanto, até a Vivência do mês de julho, contávamos com a contribuição consciente dxs participantes, que é uma forma de contribuição que permite a cada pessoa, oferecer o quanto pode e vai pagar por um serviço recebido, de acordo com sua avaliação a respeito da qualidade, dos benefícios obtidos com a oficina e da sua condição financeira atual. Sempre considerando algumas questões como: o cuidado com que preparamos cada vivência, desde o conteúdo aos aspectos estruturais; o valor de mercado para uma oficina como essa; o valor que cada uma/um considera adequado para o trabalho proposto, as pessoas contribuíam dentro das suas possibilidades. Porém, com a mudança da gestão do Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, o direito à essa nova forma de economia sustentável, foi vetado aos grupos que realizam atividades no mesmo.
Embora essa nova realidade atinja diretamente a sustentabilidade do projeto, optamos por continuar oferecendo um trabalho que nos é tão caro e igualmente importante para o nosso público. Salientamos que iremos continuar buscando novas formas de financiamento e provavelmente um novo espaço, pois só temos a garantia de utilização do Laurinda até o mês de outubro.
Seguiremos firmes, apesar de tudo, com nosso compromisso e comprometimento com o fortalecimento e empoderamento de nós, Mulheres Negras!
Axé